Segunda-feira, 13.09.10

Blue Mondays...

 

Variações Sobre o Mondego

Variações Sobre o Mondego #1

Variações Sobre o Mondego #2

Carlos Paredes, "Asas Sobre o Mundo" (1989)

publicado por Olavo Lüpia às 20:31 | link do post | comentar
Sábado, 17.11.07

Mudar de Vida, Mudar de Bina

Juntando vision ao sound, aqui ficam dois excelentes momentos proporcionados por Norberto Lobo, num concerto de 08.02.2007, na Sociedade Guilherme Coussoul, em Lisboa.


Mudar de Vida, Norberto Lobo
(original de Carlos Paredes)


Mudar de Bina, Norberto Lobo

Estas músicas fazem parte do disco "Mudar de Bina", editado há cerca de um mês por Norberto Lobo.

publicado por Olavo Lüpia às 15:47 | link do post | comentar
Quarta-feira, 21.03.07

Palavras para quê? VIII

12 cordas, 6 duplas. As três cordas duplas mais graves estão separadas, entre si, por uma oitava. A afinação é a esquisita: Ré, Lá, Si, Mi, Lá, Si.
Toca-se com os cinco dedos da mão esquerda (com especial atenção para o polegar, que se ocupa, por regra, dos bordões), mas apenas com o indicador e o polegar da mão direita.
De Lisboa para Coimbra, o corpo é diferente: em Lisboa mais arredondado, em Coimbra mais esguio, com a forma de uma lágrima. E não apenas isso. De Lisboa para Coimbra, a afinação desce um tom (pelo que, no fundo, a afinação de Coimbra, pelo diapasão, é Dó, Sol, Lá, Ré, Sol. Lá).

Tendo vivido os seus mais verdes anos em Coimbra (muda-se para Lisboa aos 9 anos), Carlos Paredes aprendeu a tocar guitarra com o seu pai, o Mestre Artur Paredes.
Foi funcionário público toda a sua vida e músico em part-time.
É bem conhecida a sua filiação política no PCP e os problemas que, por isso, teve de enfrentar nas décadas do Estado Novo.
Lança o seu primeiro disco, homónimo, em 1957 e uma das suas obras mais conhecidas é fruto da sua contribuição para o filme "Verdes Anos" (1962) do realizador Paulo Rocha. O primeiro Longa Duração, "Guitarra Portuguesa", é editado em 1967.
Em 1993, foi-lhe diagnosticada uma mielopatia que o atirou para a cama de um hospital e o separou, para sempre, da sua querida guitarra (conta-se que, numa das suas viagens, a guitarra chegou a ser dada como perdida, tendo o próprio confessado ter pensado em suicídio), até à sua morte, em 23 de Julho de 2004.
Era um homem simples, humilde e sem manias, como qualquer verdadeiro génio.
Créditos finais para o construtor da sua guitarra, João Pedro Grázio Júnior, e para os acompanhantes de sempre de Paredes: Ana Luísa Amaro (também companheira de vida de Carlos) e Fernando Alvim - que aparece a tocar a viola com cordas eléctricas nas Variações sobre o Mondego, em baixo (e não é o gajo da Antena 3!).
A não perder também, o filme "Movimentos Perpétuos: Tributo a Carlos Paredes" (2006), de Edgar Pêra.

Para começar, antes de mais (e porque é dia):
Canto de Primavera

Sede
Canto de Amor
Verdes Anos

Variações Sobre o Mondego (da autoria de Gonçalo Paredes, avô de Carlos Paredes)
Variações do Mondego #1 (da autoria de Artur Paredes, pai de Carlos. Uma peça que sempre me fascinou, em particular)

Todas estes temas foram editados na compilação "Asas Sobre o Mundo", de 1989.

Para mais informações, recomenda-se a consulta da informação que sobre ele existe na net, em biografias e na sapiência do meu querido amigo Carlos Rebocho!...
publicado por Olavo Lüpia às 01:05 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Quarta-feira, 25.10.06

Artistas de Circo II

Se calhar, alguns de vós se lembram de eu ter postado sobre alguns artistas de circo.
Pois bem, desta vez vamos partir do monumental e "impossível" tema de Carlos Paredes
Movimento Perpétuo,
do vinil "Movimento Perpétuo", editado em 1971.
Agora podem dizer olá ao guitar hero português Gonçalo Pereira, que decidiu fazer uma versão live da mesma composição.
Eu nunca vi, com enorme pena, o Paredes a tocar isto, mas uma coisa consegui concluir: por muito rápido que se toque, não sai fumo dos dedos...
Ora vejam lá.




Questão: Se o Paredes tivesse escolhido a guitarra, que não a portuguesa, teria cabelo grande e ar freak?
Pormenor: a peça tem menos de minuto e meio, mas vejam a cara do homem no final... alguém tem uma máscara de óxigénio por aí?!
publicado por Olavo Lüpia às 21:01 | link do post | comentar
Sexta-feira, 15.09.06

BOM DIA!!!

E assim, concretizo um sonho que sempre tive: dar música ao pessoal.
É uma experiência nova e estimulante... Um novo dia!
O título do blog vem de uma das minhas músicas preferidas - que, por sua vez, havia sido inspirada na personagem Marvin, The Paranoid Android, que fazia parte do "Hitchiker's Guide to the Galaxy", do Douglas Adams.

Agora, perdoem-me a má educação, mas vou espreguiçar-me todo, abrir muito os braços e cumprimentar toda a gente!
E o que pode anunciar melhor um novo dia senão o Canto do Amanhecer do Carlos Paredes*?
Posto isto, resta-me dizer que espero que me entrem casa dentro e façam muitas visitas.
Deixo a porta aberta.

*E é mais uma forma muito especial de agradecer uma prenda ainda mais especial.

publicado por Olavo Lüpia às 00:10 | link do post | comentar | feedbacks (3)

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

Rock Stock

Bichos Protegidos da Serra da Malcata

posts recentes

tags