Segunda-feira, 18.10.10

Blue Mondays...

 

I Know It's Over - The Smiths
"The Queen Is Dead" (1986)

 

I Know It's Over - Jeff Buckley

(1995)
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Quinta-feira, 25.02.10

O Fascínio pelo Assassino #11 - Charles Manson

 

Charles Manson não precisa, infelizmente, de grandes introduções.

A 'família' que liderava, na Califórnia, ficou conhecida, entre outros, pelo assassinato de Sharon Tate (na altura, mulher do realizador Roman Polanski). 

 

Neil Young, em 1974, faz um retrato interior violento, do ponto de vista de Manson, do sentimento que uniria aquela 'comuna familiar', em Revolution Blues.

 

Revolution Blues - Neil Young

"On The Beach" (1974)

 

Notamos outra referência a Manson no mundo do rock, no fim de "Bad Moon Rising" dos Sonic Youth, numa colaboração com Lydia Lunch.

 

Death Valley '69 - Sonic Youth (com Lydia Lunch)

"Bad Moon Rising" (1985)

 

Um ano depois, os Flaming Lips (que têm registada uma versão live da Death Valley '69 dos SY, na compilação ao vivo "Finally Punk Rockers Are Taking Acid", de 2002) apresentam o seu disco de estreia, onde figura Charlie Manson Blues.

 

Charlie Manson Blues - The Flaming Lips

"Here It Is" (1986)

 

Charles Manson não ficou só pela face passiva da moeda musical. Teve também uns breves e irrelevantes fogachos musicais.

No plano da justiça, depois de ser condenado à morte em 1971, viu a pena ser comutada para prisão perpétua (pela abolição temporária da pena de morte no estado da Califórnia, em 1972 - depois reintroduzida). Tem sido recusada a sua libertação condicional, que será reavaliada outra vez dentro de dois anos.

publicado por Olavo Lüpia às 02:00 | link do post | comentar
Sexta-feira, 31.10.08

Porque hoje é Sexta...

[imagem alternativa para o post]

Pós Modernos - GNR
"Psicopátria" (1986)
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar
Sexta-feira, 03.10.08

Porque hoje é Sexta...


This Charming Man (1983)
Shakespeare's Sister (1985)
Panic (1986)
The Smiths


[Parvoíces várias relacionadas com canções dos Smiths]
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Quarta-feira, 23.05.07

10/10 (dez-em-dez) - "The Queen Is Dead", 1986


10 músicas. Todas, no mínimo, muito boas. A maior parte, geniais. Um verdadeiro tratado da música pop.
Enquanto que a composição musical e arranjos estavam entregues a Johnny Marr, com as complexas e imbricadas paredes de som que saíam da guitarra e das orquestrações sintetizadas, o lirismo vinha de Steven Patrick Morrissey.
No entanto, The Queen is Dead, a primeira música, quase parece desmentir tudo o que acabo de escrever. Estrutura mais rock, assente no riff do baixo de Andy Rourke e no ritmo quase tribal da bateria de Mike Joyce, a base por onde planam as guitarras em desconcerto de Marr e a voz de Morrisey, aqui a lidar com os seus fantasmas, enquanto dispara projécteis violentíssimos contra a realeza e a igreja... Não é, pois, bem a ideia da pop convencional.
Mas tudo muda com Frankly, Mr. Shankly, onde, acima de tudo, é Morrissey quem brilha, com uma letra cheia de pérolas de humor e ironia.
Nada nos prepara para a desolação e desespero que vem a seguir, com a genial I Know It's Over. Musicalmente, tudo está no sítio: bateria, baixo, guitarras e orquestrações e a vocalização sentida. A letra é outra coisa impressionante e - pelo menos, a mim - remete-me para a capa do disco, com a frase-chave: «Oh, Mother, I can feel the soil falling over my head». Os pormenores da narrativa são revelados de uma forma quase escondida ou disfarçada, deixando-nos surpresos e suspensos de um fim que é logo anunciado no início.
O desalento continua com I Never Had No One Ever, onde é, mais explicitamente que nas outras faixas, referido o tema recorrente em muitas cancões deste disco, a solidão.
As coisas ficam bem menos sombrias logo a seguir, com aquela que podia muito bem ter influenciado o filme "Clube dos Poetas Mortos" (1989) ou fazer parte da sua banda sonora. Em Cemetry Gates, Morrissey diz que é preciso tomar a escrita como nossa, fugir do plágio e que Oscar Wilde vence aos pontos Keats e Yates, juntos. É uma música trademark dos Smiths, muito contribuindo a composição e aquelas fabulosas guitarras de Johnny Marr, sempre no sítio certo e respondendo às frases vocais de Morrissey, com frases musicais à altura: sempre perfeitas, rítmica e melodicamente.
A esta seguem-se dois monstros dos quais pouco ou nada se pode acrescentar: os hiatos temporais humorísticos de Bigmouth Strikes Again (com as guitarras, mais uma vez, aquelas guitarras...); e The Boy With The Thorn In His Side, com o "eu" e o "nós".
Depois vem o pseudo-rockabilly de Vicar in a Tutu, talvez a música menos forte do disco, que abre caminho para outro monumento: There Is A Light That Never Goes Out. Mais uma vez, o lirismo de Morrissey atinge os píncaros com um refrão do outro mundo, com a ajuda da orquestração electrónica brilhante de Johnny Marr. Genial.
O disco acaba com uma música que se explica a si própria: Some Girls Are Bigger Than Others, de onde se destaca - nunca é demais - Johnny Marr.
Um disco muito equilibrado, com músicas excelentes, que ouço e re-ouço vezes sem conta, como hoje.

The Queen Is Dead
I Know It's Over
Cemetry Gates


Para tudo o que foi postado sobre este disco aqui no tasco, sigam a etiqueta "The Queen Is Dead", em baixo.
publicado por Olavo Lüpia às 01:07 | link do post | comentar | feedbacks (4)
Quarta-feira, 24.01.07

Vídeos do outro mundo

Há quem diga que a história dos music videos começa, a sério, aqui. Ainda que não o seja, é, pelo menos, um belíssimo documento histórico.


Sledgehammer, Peter Gabriel
"So" (1986)

Realizador: Stephen R. Johnson
publicado por Olavo Lüpia às 01:24 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Sexta-feira, 12.01.07

Porque hoje é Sexta...

The Smiths, em dose dupla:


The Boy With The Thorn In His Side, The Smiths



Bigmouth Strikes Again, The Smiths

ambos do "The Queen Is Dead" (1986).

1.º Era uma vez um sítio chamado "States";...
2.º Era uma vez outro sítio chamado "Buraco Negro", "Buraco", para os amigos;
3.º E um altar para o Johnny Marr?
4.º E outro para o Morrissey?
publicado por Olavo Lüpia às 03:23 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Segunda-feira, 11.12.06

Blue Mondays...


There Is A Light That Never Goes Out, The Smiths
"The Queen Is Dead" (1986)
publicado por Olavo Lüpia às 01:40 | link do post | comentar | feedbacks (4)

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

Rock Stock

Bichos Protegidos da Serra da Malcata

posts recentes

tags