Quarta-feira, 15.04.09

This Week In God - O curioso caso de Edward Mordrake

Diz-se que Edward Mordrake nasceu com uma particularidade estranha: na parte de trás da cabeça tinha outra face, de uma mulher (a sua 'devil twin', segundo o próprio). O pessoal ligado a essa crendice popular a que vulgarmente chamamos 'medicina ocidental' parece apodar estes fenómenos como Parásitos Craniópagos. Mas - quer dizer...- o que é que eles sabem?! O folclore de fonemas anglo-saxónicos chama-lhes "freaks", que não só é muito mais fácil de dizer como é perceptível à primeira, logo, preferível.
Reza a hitória que, apesar das insistências do pobre Edward - que se queixava que a sua gémea parasita lhe dizia coisas horríveis durante a noite -, não havia cirurgião daqueles dias (algures no séc. XIX) que arriscasse tal operação, por considerar certa a morte do paciente. Em desespero, Edward suicidou-se aos 23 anos - o folclore diz ainda que Edward pediu, na sua mensagem final, que a sua cabeça fosse esmagada, não fosse o caso de a rapariga querer continuar a falar com ele no além.
Tom Waits retratou Edward na sua peça "Alice" (cujas canções foram registadas no disco homónimo de 2002).
Deixa-se aqui a 'demo' inicial de Poor Edward, ainda, ao que parece, com o nome provisório Chained Together For Life, incluída na bootleg "Alice - The Original Demos" (gravações de 1999) - compilação disponível aqui.

Chained Together For Life ('demo' de Poor Edward) - Tom Waits
(1999)

Fica também a versão oficial do disco de 2002, acompanhada por um vídeo 'stop-motion' realizado por um tal de Lucas Kulterer, colocado no You Tube.


Poor Edward, Tom Waits
"Alice" (2002)
publicado por Olavo Lüpia às 02:07 | link do post | comentar
Quinta-feira, 09.04.09

This Week In God

[Para quem alguma vez se questionou sobre a frase de apresentação aqui do tasco]


The Piano Has Been Drinking (Not Me) + entrevista, Tom Waits
Programa "Fernwood Tonight" (1976)
publicado por Olavo Lüpia às 03:15 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Quinta-feira, 19.02.09

Penso rápido/Reuniões familiares

Jesse Frank Waits e o seu filho, Tom.

Cemetery Polka - Tom Waits
"Rain Dogs" (1985)
publicado por Olavo Lüpia às 14:20 | link do post | comentar
Terça-feira, 27.01.09

O fascínio pelo assassino # 7 - Murder in the Red Barn


Hoje temos a morte de Maria Marten, em 1827, pelo seu amante William Corder. Ambos haviam combinado um encontro no celeiro vermelho, em Suffolk, Inglaterra, antes de darem azo a uma previamente planeada fuga. Nunca mais se soube de Maria...

Murder in the Red Barn - Tom Waits
"Bone Machine" (1992)

(a partir deste post do Coisas do arco da velha)
publicado por Olavo Lüpia às 04:00 | link do post | comentar
Quinta-feira, 08.01.09

Novidades - N.A.S.A.

O projecto N.A.S.A. (North America/South America) resulta da colaboração entre Squeak E. Clean (nado Sam Spiegel) e DJ Zegon (Zé Gonzales) e prepara-se para lançar, em Fevereiro, o disco "The Spirit of Apollo", que mais parece uma celebração que um disco. Na verdade, todos os temas do disco são colaborações com outros artistas e os convidados são de peso: Tom Waits, David Byrne, Chuck D. e Seu Jorge (estes três na mesma faixa!), Spank Rock, M.I.A. e Santogold (num mesmo tema também), entre muitos, muitos outros...
O primeiro vídeo já foi apresentado, Money, e a label Anti já disponibilizou também o áudio de Spacious Minds.


Money, N.A.S.A. (com David Byrne, Chuck D., Ras Congo, Seu Jorge & Z-Trip)
"The Spirit of Apollo" (2009)

Spacious Minds - N.A.S.A. (com Tom Waits & Kool Keith)
"The Spirit of Apollo" (2009)
publicado por Olavo Lüpia às 00:41 | link do post | comentar | feedbacks (3)
Terça-feira, 30.12.08

Palavras para quê? (XX)

Tom Waits - António Pinho Vargas
"As Folhas Novas Mudam de Cor" (1987)


Tom Waits, António Pinho Vargas
(Performance ao vivo no Centro Cultural de Belém, Lisboa, 05.07.2008)
publicado por Olavo Lüpia às 05:22 | link do post | comentar
Quarta-feira, 24.12.08

A gerência do tasco deseja aos seus estimados clientes...


Jayne's Blue Wish - Tom Waits
"Orphans: Brawlers, Bawlers & Bastards" (2006)
publicado por Olavo Lüpia às 14:45 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Segunda-feira, 08.12.08

Blue Mondays...


I Hope That I Don't Fall In Love With You, "Closing Time" (1973)
Please Call Me, Baby, "The Heart Of Saturday Night" (1974)
Broken Bycicles, "One From The Heart" (1982)
Soldier's Things, "Swordfishtrombones" (1983)
Train Song, "Frank's Wild Years" (1987)
Dirt In The Ground, "Bone Machine" (1992)
Alice, "Alice" (2002)
The Part You Throw Away, "Blood Money" (2002)
Little Man, "Orphans: Brawlers, Bawlers and Bastards" (2006)
publicado por Olavo Lüpia às 03:37 | link do post | comentar
Domingo, 07.12.08

Hail, Hail, The Eyeball Kid!

[07.12.1949 - ...]

Eyeball Kid - Tom Waits
"Mule Variations" (1999)


«Well Zenora Bariella
And Coriander Pyle
They had sixteen children
In the usual style

They had a curio museum

And they had no guile

All they ever wanted

Was a show biz child

So on the 7th of Dec. 1949

They got what

They'd been wishing for

All of the time

He grew up in a trailer

By the time he was 9

He rolled off to join

The circus... telling fortunes

On the side


Hail Hail, the Eyeball kid

Well the first time I saw him
Was a Saigon jail
Cost me 27 dollars
Just to go his bail
I said your name will
Be in lights...
And that's no doubt
But you got to have
A manager that's what
It's all about
People would point
People would stare
I'll always be here
To protect you and to
Cut down on the glare
I know you can't speak
I know you can't sign
So cry right here on
The dotted line

Hail Hail, the Eyeball kid

Well he was born with out a body
Not even a brow
I made the kid a promise
I made the kid a vow
He's not conventionally handsome
He'll never be tall
He said "all you got to do is
Book me into Carnegie Hall"

Hail Hail, the Eyeball kid

He's just a little bitty thing
He's just a little guy
But women go crazy
For the big blue eye
They say how does he
Dream? How does he think
When he can't ever speak
And he can't ever blink?

I said Hail Hail, the Eyeball kid
Hail Hail, the Eyeball kid

Give it up and throw me down
A couple of quic
Everybody wants to see
The Eyeball kid

How dies he dream
How does he think
When he can't even speak
And he can't even blink
We are all lost in the
Wilderness we're as
Blind as can be
He came down to teach us
How to really see

Hallelujah
Hallelujah
Hallelujah

So give it up and throw
Me down a couple of quid
Everybody wants to see
The Eyeball kid
Eyeball kid
Eyeball kid.»
publicado por Olavo Lüpia às 17:12 | link do post | comentar
Sábado, 01.11.08

...


November - Tom Waits
"The Black Rider" (1993)
publicado por Olavo Lüpia às 14:01 | link do post | comentar
Quinta-feira, 25.09.08

The Gospel Connection [ou "Céguinhos" pelo/com o Tom Waits]


Way Down In The Hole - Blind Boys Of Alabama
"Spirit Of The Century" (2001)
Go Tell It On The Mountain - Blind Boys Of Alabama & Tom Waits
"Go Tell It On The Mountain" (2004)
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar
Terça-feira, 05.08.08

Tom Waits at Ratcellar (Phoenix Park) #3 - «Hail, Hail, the Eyeball Kid!»

As luzes apagam-se e o feitiço começa logo a seguir à ovação em pé.
«Ahh-poom!», vocifera o homem da voz metálica, quantas vezes ferrugenta, e começa o mais que eficaz medley Lucinda/Ain't Going Down The Well, que abriu as hostes em todos os concertos da digressão 'Glitter & Doom'. A partir daí, estão uns milhares de pessoas enfeitiçadas durante cerca de duas horas e meia, membros da banda incluídos. Suspensos de cada movimento: da mão, do pé, do torso. Por esta altura, Waits está no meio de um pequeno estrado circular poeirento, com pequenos instrumentos de percussão no chão, que vibram de cada vez que deixa cair o pé com violência, controlando tudo o que vive à sua volta.


Lucinda/Ain't Going Down The Well
(31.07.2008)

Uma dezena de músicas depois, Waits senta-se em frente ao piano e inicia cada uma das músicas com uma pequena história. Fala da sua ideia para comida canina fluorescente, para que se tenha uma tarefa mais fácil na recolha dos seus dejectos; de como deve ser afastado dos leilões do e-bay, porque acabou de comprar «the last dying breath of Henry Ford»: «think of it: how many more of them are there?!»; antes de uma devastadora Invitation To The Blues, na segunda noite, discorre sobre como a Irlanda está mudada: viu uma placa a dizer "Men Working"... e, para sua sua surpresa, «there were actually men working»; na primeira noite diz que vai tocar um pedido: «my own request!» e lança-se a uma arrebatadora Tom Traubert's Blues que deixa o público em pé durante um ou dois minutos, com as palmas das mãos doridas...
O set de piano acaba sempre com o convite ao canto do refrão de Innocent When You Dream.


Tom Traubert's Blues
(01.08.2008)

As músicas apresentam-se com novos arranjos, nos quais brilham todos os músicos, principalmente o guitarrista Omar Torrez e Vincent Henry, na harmónica, clarinete e numa variedade de saxofones. Os arranjos fazem ainda sobressair o melhor do ainda muito jovem baterista Casey Waits, filho de Tom. Arranjos esses que são excelentes, por exemplo, em Dirt In The Ground, agora quase hipnótica, God's Away On Business ou Cemetery Polka. Note-se ainda a presença do ainda muito novo filho de Waits, Sullivan (13 ou 14 anos), no clarinete e sax em algumas músicas, e congas em Hoist That Rag - a música das "guitarras cubistas" (pela mão de Marc Ribot) apresenta-se cada vez mais latina.

Hoist That Rag, "Real Gone" (2004)

Poucas são as músicas que se repetiram em todas as três noites de Dublin: o medley inicial, Down In The Hole, Innocent When You Dream, Hoist That Rag, Lie To Me e Make it Rain, que me lembre. As primeiras duas noites apresentaram-se como se fossem espectáculos complementares, de tão poucas músicas coincidentes. A terceira noite foi um apanhado das noites anteriores (comparar as setlists, no post abaixo), com a oferta de duas pérolas: Blue Valentines e The Heart Of Saturday Night.

The Heart of Saturday Night, "The Heart of Saturday Night" (1974)

Um dos momentos altos da primeira e terceira noite foi Eyeball Kid, com as luzes a apagarem-se, excepto alguns focos brancos, quando Tom pega num chapéu todo espelhado. O resultado é visualmente eficaz: um caleidoscópio de pequenos focos saídos de cada um dos espelhos do chapéu, como se fosse uma bola de discoteca.
Make It Rain marcou o fim dos concertos, com a suplica de Waits a ser correspondida com uma chuva de confettis de cor azul e amarela. Na primeira noite, a súplica da lenda correu tão bem que, logo a seguir, o próprio céu de Dublin baptizou aquela tenda com uma feroz golfada de água que não mais deixou de castigar a cidade do Leefy naquela noite.


Make It Rain
(31.07.2008)

Em resumo, três noites absolutamente brutais. Tom Waits está dentro daquele pequeno número de pessoas que garantem sempre um espectáculo excelente. Na sua obra podemos encontrar todo o século XX, entre o jazz, o blues, a folk, a soul, a world music (rumbas, polkas, valsas...) e o mais que possamos imaginar.
Serve apenas de consolo a forma como acabou o segundo encore do último dia:
«So don't cry for me
For I'm going away
And I'll be back some lucky day
».

Pony, "Mule Variations" (1999)
If I Have To Go, "Orphans(...): Bawlers" (2006)
Lucky Day, "The Black Rider" (1993)
publicado por Olavo Lüpia às 14:51 | link do post | comentar | feedbacks (1)

Tom Waits at Ratcellar (Phoenix Park) #2

Quanto às setlist dos concertos, aqui ficam os cardápios, com a ajuda do inevitável Eyeball Kid.

- Quarta-feira, 30.07.2008:

Lucinda/Ain't Going Down To The Well, Raindogs/Russian, Dance Falling, Down On the other side of the world, I'll shoot the moon, Cemetery Polka, Get behind the mule, Cold cold ground, Singapore, Circus/Tabletop Joe, God's Away On Business;
Tom Traubert's Blues, On the Nickel, Christmas Card from a Hooker in Minneapolis, Innocent When You Dream;
Lie to me, Hoist that Rag, Lost At The Bottom Of The World, Green Grass, Down in the hole, Metropolitan Glide, Dirt in the ground, Make it rain;

Encore:
Jesus' Gonna be here, Eyeball Kid, Time.

- Quinta Feira, 31.07.2008

Lucinda/Ain't going down to the well, Down in the hole, Come on up the house, The bottom of the world, Jockey full of bourbon, Chocolate Jesus, Misery is the river of the world;
Picture in a frame, Tango till they're sore, Invitation to the blues, House where nobody lives, Innocent when you dream;
Lie to me, Sixteen shells from a thirty-ought six, 9th & Hennepin, Black market baby, Trampled rose, Hoist that rag, All the world is green, Hang down your head, Raindogs/Russian Dance, Make it rain;

Encore:
Heart attack and vine, November, Hold on.

- Sexta-feira, 01.08.2008

Lucinda/Ain't going down to the well, Raindogs/Russian Dance, Down in the hole, I'll shoot the moon, Other side of the world, Falling Down, Jesus' gonna be here;
Tom Traubert's Blues, Heart of Saturday Night, Lost in the Harbour, House Where Nobody Lives, Innocent When you Dream;
Hoist That Rag, Cemetery Polka, Green Grass, Long Way Home, Lie to Me, Blue Valentines, Trampled Rose, Eyeball Kid, Going Out West, God's Away on Business, Make it Rain;

Encores:
16 Shells from a thirty-ought six, Heigh Ho, Dirt in the Ground;

Metropolitan Glide, Lucky Day.
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar

Tom Waits at Ratcellar (Phoenix Park) #1 - «I've come five hundred miles just to see your halo»


- O ambiente:

a) O local

Come On Up To The House, "Mule Variations" (1999)

Chegar à parte norte do enorme e lindíssimo Phoenix Park e observar o local onde as festividades se iriam desenrolar foi, por um lado, substituir o nervosismo por pura comoção pela certeza de que qualquer coisa de único se iria ali passar: Tom Waits preparava-se para terminar a digressão europeia numa enorme tenda de circo azul e amarela assente em 6 colunas.
E quaisquer dúvidas seriam dissipadas após a entrada no espaço, uma espécie de arraial circense, com comida, da fast food a crepes, café e bebidas (cerveja, vinho branco e tinto e champanhe), e merchandising da digressão.


b) As pessoas

We're All Mad Here, "Alice" (2002)

Havia de tudo, mesmo de tudo, numa mole do mais heterogéneo que pude ver num concerto. Dos que tinham acabado de sair do escritório sem tempo para se mudar, ainda com o fato e gravata, passando pelo povo 'esquizo' de todas as facções até aos wanna-be Tom Waits, nas suas mais diferentes encarnações: os de fato de igual corte e chapéu condizente aos mais recentes anos, os da camisa vermelha com colete negro circa 1987 (digressão que daria origem ao disco e filme "Big Time") e uma fabulosa cópia de um Tom Waits da era de "Nighthawks at the Diner" e "Small Change", de fato e magra gravata negros, camisa branca e a inconfundível boina.

Pena apenas que os irlandeses sejam pessoas esquisitas com prioridades diferentes.
Prioridades? Perdão, prioridade! E essa prioridade passava pela cerveja, o que originou uma das partes mais chatas dos 3 dias: pessoas que, ainda que tendo pago muito por um concerto, insistiam em sair e entrar do espectáculo para buscar cerveja, ir às casas de banho terminar o ciclo biológico da referida bebida ou fumar cigarro, obrigando as outras pessoas a levantar-se para lhes ceder passagem, na ida e na vinda. Nada que fosse decisivamente desagradável face à qualidade da performance de Waits.
publicado por Olavo Lüpia às 02:00 | link do post | comentar
Sexta-feira, 01.08.08

Porque hoje é Sexta...

Em Setembro deste ano sai um disco de versões de Tom Waits, do velho amigo Southside Johnny, veterano músico de New Jersey, em colaboração com Richie "La Bamba" Rosenberg - o bem conhecido "La Bamba" da banda residente no programa de Conan O'Brien (Os Max Weinberg 7).
Deixo-vos o primeiro cheirinho, neste caso com a ajuda do homenageado:

Walk Away and Start Over Again - Southside Johnny and La Bamba's Big Band (com Tom Waits)
"Grapefruit Moon: The Songs Of Tom Waits" (2008)
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar
Quarta-feira, 30.07.08

Emotional Weather Report

Rain Dogs - Tom Waits
"Rain Dogs" (1985)
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Terça-feira, 29.07.08

Tom Waits - Digressão "Glitter & Doom" (2008)


Para quem conseguiu vê-lo, para quem ainda o vai ver (!) e, principalmente, para quem não foi nem vai poder ir vê-lo na digressão "Glitter & Doom" - que acaba em Dublin, na 6.ª feira -, a já aqui falada National Public Radio (NPR) acaba de disponibilizar o concerto (140 minutos) dado pelo Senhor no passado dia 5 Julho na capital do estado da Georgia, Atlanta, no Fox Theatre.
A banda era constituída por: TW - voz, guitarra, piano; Seth Ford-Young - contrabaixo; Patrick Warren - teclas; Omar Torrez - guitarra; Vincent Henry - sopros; e Casey Waits, filho de Tom - bateria e percussão. Larry Taylor também tocou guitarra eléctrica em algumas músicas.

Aqui fica o link directo para o mp3 do concerto:

Tom Waits no Fox Theatre, Atlanta, GA (concerto)
(05.07.2008)

[Set list:
Lucinda/Ain't Going Down to the Well;
Down in The hole;
Falling Down;
Chocolate Jesus;
All the World Is Green;
Cemetery Polka;
Cause Of It All/'Til The Money Runs Out;
Such A Scream;
November;
Hold On;
Black Market Baby;
9th and Hennepin;
Lie To Me;
Lucky Day;
On The Nickel;
Lost In The Harbor;
Innocent When You Dream;
Hoist that Rag;
Make It Rain;
Dirt In The Ground;
Get Behind The Mule;
Hang Down Your Head;
Jesus Gonna Be Here;
Singapore
.

Encore:
Eyeball Kid;
Anywhere I Lay My Head
]
publicado por Olavo Lüpia às 01:22 | link do post | comentar | feedbacks (3)
Segunda-feira, 28.07.08

Blue Mondays...


The Part You Throw Away - Ute Lemper
"Punishing Kiss" (2000)
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar
Quinta-feira, 24.07.08

Assustadoramente belo


Em 1971, quando trabalhava com Alan Powers num documentário sobre pessoas que viviam duramente em certos bairros de Londres, Gavin Bryars apanhou alguns desses sem-abrigo a começar a irromper em cantos bêbados. Um deles, no entanto, não bebia álcool e repetia uma pequena frase musical de teor religioso.
Bryars gravou aquele lamento e, chegado a casa, verificou que o canto estava afinado e que podia acompanha-lo ao piano, o que fez. Reparou que os primeiros 13 compassos, quando tocados em loop, formavam um corpo musical interessante em cima do qual poderia compor um arranjo orquestral. Decidiu levar a gravação para o Departamento de Belas Artes de Leicester para o copiar para uma mesma bobina. Deixou a cópia a fazer e as portas abertas quando saiu para tomar um café. Quando voltou encontrou a habitualmente fervilhante sala em estado de comoção, com alguns dos presentes a chorar silenciosamente.
A morte tirou ao velho cantor a oportunidade de ouvir o que Bryars fez com a voz dele.
A peça foi tocada pela primeira vez ao vivo em 1972 e gravada por Bryars em 1975. Em 1993, Bryars regravou-a, convidando Tom Waits para acompanhar a voz do velho.

Jesus' Blood Never Failed Me Yet (arranjo para cordas)
Jesus' Blood Never Failed Me Yet (arranjo para orquestra completa)
Gavin Bryars (com Tom Waits), "Jesus' Blood Never Failed Me Yet" (1993)

(fonte)

publicado por Olavo Lüpia às 03:51 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Segunda-feira, 30.06.08

Blue Mondays...

[De hoje a um mês - ou de amanhã a um mês (ou de depois de amanhã a um mês) -, qualquer uma destas será bem recebida. Aponte aí, Prof. Doutor Waits...]

Tom Traubert's Blues (Four Sheet To The Wind In Copenhagen)
Invitation To The Blues
Bad Liver and a Broken Heart
"Small Change" (1976), Tom Waits
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar | feedbacks (4)

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

Rock Stock

Bichos Protegidos da Serra da Malcata

posts recentes

tags