Segunda-feira, 20.06.11

Blue Mondays...


The River, Bruce Springsteen & The E-Street Band
(NY, 2000) 

publicado por Olavo Lüpia às 23:50 | link do post | comentar | feedbacks (4)
Quarta-feira, 23.09.09

23.09.1949 - 23.09.2009

Esta noite, o velhinho & a sua família alargada devem fazer uma festa com a alegria rock n' roll das duas que em baixo se deixa.


Ramrod, Bruce Springsteen & The E Street Band
(Barcelona, 2002)


Detroit Medley*, Bruce Springsteen & The E Street Band
(Landover, Maryland, 1980)

publicado por Olavo Lüpia às 12:51 | link do post | comentar
Terça-feira, 22.09.09

Especial Bruce Springsteen #8 - "Darkness On The Edge Of Town"


Depois de "Born To Run", Springsteen gastou o chão dos palcos, tendo também que deglutir a atenção que o disco de 1975 tinha gerado à sua volta. Mas não era apenas isso que impedia Springsteen de voltar aos discos.
Bruce manteve durante dois anos um proceso judicial contra o seu ex-manager, Mike Appel, período no qual o compositor se manteve afastado das sessões de gravação.

Com este reboliço, a música de Springsteen acabou por ficar mais 'escura' e menos optimista. Os personagens "freak" e os românticos, e os "freaks" românticos, dão lugar a personagens mais terrenas; o modo de vida adolescente ou pré-adulto dá lugar a um mais adulto; o escape da noite ao dia de trabalho.
Tudo isso pode ser ouvido em "Darkness On The Edge Of Town": o ajuste de contas com o progenitor, no rock pesado de Adam Raised A Cain; as forças e circunstancialismos que nos dominam, em Racing In The Streets e no fabuloso tema-título; um amor um pouco mais maduro em Prove It All Night e um pouco mais selvagem, no amor por uma prostituta, em Candy's Room; o valor do esforço e do trabalho em Badlands, Factory ou The Promised Land.
Apesar de haver músicas que acabaram por se tornar símbolos da carreira de Springsteen e marcos ao vivo, como Darkness On The Edge Of Town, Racing In The Streets ou Candy's Room, não há 'hits'.
Curiosamente, e com o escopo de manter o disco 'focado', Bruce Springsteen tinha 'oferecido' Because The Night a Patti Smith - co-autora do tema - ou Fire às Pointer Sisters, músicas que acabaria por ter grande visibilidade comercial. Obviamente que Springsteen continuou a tocar esses temas ao vivo.

Há ainda a referir a excelente Streets Of Fire, que acabaria por dar o nome ao conhecido filme de Walter Hill de 1984 - o tal que, musicalmente, acabou por nos dar a conhecer Nowhere Fast. A ideia dos produtores do filme era usar a música de Springsteen na banda sonora. No entanto, quando Springsteen se apercebeu que a ideia era que o tema fosse re-gravado para caber na personagem principal feminina do filme, representada pela belíssima Diane Lane, recuou na permissão de uso dos direitos da canção.

Temos então um disco, um grande disco, introspectivo e intimista como os anteriores nunca foram, de que Something In The Night é talvez o melhor exemplo. Um disco de um Springsteen bem diferente que aquele que conhecíamos até "Born To Run" e que, em grande parte, começa a definir uma parte do Springsteen que temos desde então.

Adam Raised a Cain
Streets Of Fire
publicado por Olavo Lüpia às 01:00 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Sexta-feira, 18.09.09

Especial Bruce Springsteen #3 - "The Wild, The Innocent & The E Street Shuffle"


Ainda em 1973, no mês de Setembro, Springsteen lança o seu segundo disco, "The Wild, The Innocent & The E Street Shuffle". Para mim, um dos melhores do homem. Um disco de poucas, mas grandes músicas.

Para surpresa de muitos que possam não conhecer totalmente a discografia do homem, é um disco onde a 'música negra' (usemos esta denominação grossa para facilitar) tem um grande papel de destaque. Tem muito soul, muito R&B, muito funk. Acaba por se notar muito a influência do excelente pianista jazz David Sancious. Aliás, a banda - que aí ainda não se chamava oficialmente E Street Band - acaba por ficar com o nome da rua onde morava a mãe de Sancious, num dos bairros de New Jersey. Diga-se que Sancious acaba por brilhar um pouco por todo o disco, com especial destaque o solo de órgão de Kitty's Back ou a introdução de antologia New York City Serenade, que acaba o disco.

O feel do disco é muito 'ao vivo' e em algumas alturas os tons são muito jazzy, dando a sensação de termos apanhado algum ensaio gravado da banda. Os temas (7, ao todo) apresentam uma duração média a rondar os 6,5/7 minutos. A presença dos metais é incontornável e o sentimento funk/soul está presente em The E Street Shuffle ou Kitty's Back, enquanto que Rosalita (Come Out Tonight) é a autêntica festa rock n' roll.

Mas não é apenas disto que vive o disco, temos também a balada imortal com inspiração no Van Morrison de "Astral Weeks" (1968) - uma presença que paira sobre algumas partes do disco -, 4th Of July, Asbury Park (Sandy), ou a fabulosa 'folkalhada' de Wild Billy's Circus Story, onde a guitarra e harmónica de Springsteen (creio ser a única aparição da harmónica nos primeiros dois discos de Springsteen, o que também não deixa de ser surpreendente) se juntam ao acórdeão de Danny Federici e à tuba do baixista Garry Tallent para contar a história de uma cambada de personagens 'freak' de um circo em digressão. E temos tudo isto e mais outro tanto na música que acaba o disco, um 'tour de force' de dez minutos, New York City Serenade.

Liricamente, é um disco de histórias dos subúrbios e o rol de personagens, todas elas mais ou menos disfuncionais é impressionantemente extenso: Power Thirteen e sua senhora, Little Angel; a Sandy; Catlong, Kitty, Sally, Big Pretty and Jack Knife; um circo inteiro (o anão, a gorda 'Big Mama', trapezistas, o engolidor de fogo...); o 'Spannish Johnny' e a 'Puerto Rican' Jane; Rosalita e seus pais; Billy e 'Diamond' Jackie, entre outros.

Um belíssimo trabalho, portanto, bem aceite pela crítica, como o anterior, mas, igual que tal, com muito pouco sucesso comercial. Alguns temas serão, com certeza, uma surpresa para quem não conhecer bem a discografia de Springsteen.

Wild Billy's Circus Story
New York City Serenade
publicado por Olavo Lüpia às 00:50 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Quinta-feira, 17.09.09

Especial Bruce Springsteen #2 - "Greetings From Asbury Park, N.J."


No começo de 1973, Bruce Springsteen inicia-se nos Long Play's, com um "olá!" efusivo da sua terra natal.
A E Street Band estava formada, contando nesta altura com o 'braço direito', o 'Big Man' Clarence Clemmons no saxofone, Garry W. Tallent no baixo (ambos ainda hoje membros da banda), 'Phantom' Danny Federici nas teclas (membro da banda até à sua morte, devido a um melanoma, no ano passado), David Sancious no piano e Vini 'Mad Dog' Lopez na bateria (membros da banda até 1974).

Blinded By The Light

O disco começa com um Springsteen em aturada consulta ao seu dicionário de rimas [*], com as sonoridades, rock, jazz e R&B de Blinded By The Light - música que, apesar de ter sido à altura lançada como single, apenas teve alguma notoriedade quando, alguns anos depois foi objecto de uma versão pela Manfred Mann's Earth Band.

Belíssimas histórias: o retrato romanceado do crescimento, em Growin' Up; a saga de Mary Queen of Arkansas, que exerce um domínio quase obsessivo, muito amor e algum ódio, sobre o seu cantor («You're not man enough for me to hate/Or woman enough for kissing»); a escuríssima história do anjo que se faz acompanhar de crianças corcundas, com veneno a escorrer do motor (The Angel); e uma saída ébria de um grupo de amigos num sábado à noite, em Spirit In The Night.
Nele podemos encontrar uma grande heterogeneidade de sons, o folk (Mary Queen of Arkansas, The Angel) dá lugar ao R&B (For You, Spirit In The Night ou It's Hard To Be a Saint In The City), que dá lugar ao pop e o rock (Growin' Up).

Mary Queen Of Arkansas

A escolher uma música como peça principal de um excelente disco inicial, as honras têm que ser feitas a Lost In The Flood: rock progressivo sombrio, narrando o folclore, ora heróico (Jimmy, The Saint) ora lúgubre, de New Jersey.

Lost In The Flood

publicado por Olavo Lüpia às 00:59 | link do post | comentar
Quarta-feira, 16.09.09

Especial Bruce Springsteen #1 - Growin' Up

Uma das ideias que se tem de Bruce Springsteen, muito querida a qualquer americano - o 'average Joe' -, é a de que ele é "um de nós", um tipo perfeitamente normal, que, se o víssemos e não conhecêssemos, só à 57.ª vez (número caro ao Boss) e com juras ajoelhadas nos convenceríamos detentor de um qualquer talento artístico.
Conhecendo-o, e até às dois, três anos, quando toda a gente voltou a acordar para Springsteen, a ideia era a de um rocker velho, gasto, com músicas de três acordes e algum talento para juntar palavras. As probabilidades de um melómano mais intelectual olhar para Springsteen com admiração, por poca que fosse, eram tão grandes como as do Desportivo das Aves ganhar um campeonato nacional de futebol profissional.
Filho de um motorista de autocarros e de uma bibliotecária, Springsteen nasceu (Long Branch) e cresceu (Freehold) em New Jersey. Adolescência rebelde, relação problemática com um pai austero, que não entendia um tipo de cabelo comprido sempre agarrado a uma guitarra, e com a mania do rock, que queria que ele fosse um advogado (enquanto que a mãe preferia que fosse escritor), que lhe cortou o cabelo na cama de um hospital depois de um acidente de mota, a primeira banda que se conhece de Springsteen são os Castiles, em '65.
Mais tarde, fez parte do 'power trio' Earth, onde ganhou a alcunha que ainda hoje ostenta, The Boss, porque era quem ia receber o cachet e o distribuía pelos outros membros da banda; depois apareceram os Steel Mill, onde conheceu alguns músicos que viriam a fazer parte da E-Street Band, casos do teclista Danny Federici, do baterista Vini 'Mad Dog' Lopez e do 'Soprano' Steve Van Zandt; ainda há o registo de mais umas quantas bandas passageiras, como Dr. Zoom & The Sonic Boom, Sundance Blues Band e The Bruce Springsteen Band (entre '71 e os inícios de '72).
E assim chegamos a 1972, quando Springsteen junta à banda o pianista David L. Sancious e funda a E-Street Band.
Em 3 de Maio e já com o management assegurado por Mike Appel e Jim Cretecos, Springsteen faz uma audição bem sucedida frente a John Hammond (que havia 'descoberto Dylan dez anos antes), nos estúdios da Columbia, em NY, garantindo o seu primeiro contrato discográfico, enquanto continuava a fazer espectáculos, com banda e a solo, pelos bares daquela cidade.
Em baixo fica o registo em vídeo de Growin' Up - uma espécie de caricatura do artista enquanto jovem - desse ano e uma versão ao vivo do mesmo tema, num espectáculo em Cleveland da 'Darkness Tour', de 1978, com os seus característicos monólogos, meio storytelling, meio stand-up comedy, que haviam também de se lhe colar à imagem - para além da duração dos próprios concertos.


Growin' Up, Bruce Springsteen
10.08.1972, no 'Max's Kansas City', NY

Growin' Up - Bruce Springsteen & The E-Street Band
09.08.1978, Agora Theatre, Cleveland.
publicado por Olavo Lüpia às 01:46 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Sexta-feira, 06.03.09

Porque hoje é Sexta...


Rosalita (Come Out Tonight), Bruce Springsteen & The E-Street Band
['Darkness Tour', 08.07.1978, Arizona Veterans Memorial Coliseum, Phoenix, Arizona]
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Quarta-feira, 24.09.08

As músicas, às vezes, são como os gatos...

..., com 7 ou 9 vidas - dependendo da língua os bichos falarem.


Jungleland, Bruce Springsteen & The E-Street Band
"Born To Run" (1975)
publicado por Olavo Lüpia às 23:00 | link do post | comentar
Terça-feira, 23.09.08

23.09.1949...


No dia de aniversário de Springsteen, pegamos num clássico do homem e vemo-lo a tomar as mais variadas formas, entre o country e o bluegrass, o folk, a dança ou o pop mais indie. Nem todas as versões são grande coisa, mas todas ajudam a compreender melhor que uma boa canção é sempre uma boa canção.

I'm On Fire - Bruce Springsteen & The E-Street Band
"Born In The USA" (1984)

I'm On Fire - Tori Amos
"VH1 Crossroads (compilação)" (1996)
I'm On Fire - Big Country
"Eclectic" (1996)
I'm On Fire - Johnny Cash
"Badlands (compilação)" (2000)
I'm On Fire - Electrelane
"Singles, B-Sides & Live" (2006)
I'm On Fire - AA Bondy
"American Hearts (EP)" (2007)
I'm On Fire - The Blankket
"Be Your Own Boss" (2007)
I'm On Fire - Bat For Lashes (com Faith Salie)
gravação ao vivo para a rádio PRI, 2007
I'm On Fire - Chromatics
"Studio Sketches" (2007)
publicado por Olavo Lüpia às 22:00 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Sexta-feira, 04.07.08

4th of July, Asbury Park

Em 1973 ficava registado um lindíssimo momento da ainda jovem carreira de Bruce Springsteen, retratando a 'fauna' de Asbury Park, New Jersey, tendo por pano de fundo o dia da Independência dos Estados Unidos, na naturalmente denominada 4th of July, Asbury Park (Sandy), de "The Wild, The Innocent & The E-Street Shuffle".
A lembrança desta música este ano deve-se aos recentes falecimentos de dois dos seus protagonistas: Danny 'Phantom' Federici, teclista da E-Street Band que providenciou ao tema o seu incontornável aórdeão - e que não resistiu a um cancro de pele, falecendo no dia 17 de Abril; e Madam Marie*, a 'bruxa' de Asbury Park, que a canção tornou famosa («And the cops finally busted Madam Marie/For telling fortune better than they do...»), falecida há uma semana.


4th of July, Asbury Park (Sandy), Bruce Springsteen
excerto do filme-concerto "Hammersmith Odeon, London '75" (2005)

____________________________
* podem ver algumas imagens de Asbury Park e da própria Madam Marie neste vídeo amador.
publicado por Olavo Lüpia às 16:25 | link do post | comentar
Segunda-feira, 14.01.08

Blue Mondays...




Point Blank, Bruce Springsteen & The E-Street Band
"The River" (1980)

(letra)
publicado por Olavo Lüpia às 00:17 | link do post | comentar
Quarta-feira, 05.09.07

Novidades - Springsteen

Bruce Springsteen está de volta e de volta e bem acompanhado pela sua, de sempre, E-Street Band (banda que já conta os seus 34 anos), após a última colaboração conjunta nesse exercício de terapia colectiva denominado "The Rising" (2002), logo após o 11 de Setembro.
Para Springsteen, o novo disco, a sair nos inícios de Outubro com o nome "Magic", representa o sucessor do folk festivo de "The Seeger Sessions" (2006) e da digressão com a Seeger Sessions Band. "Magic" parece ser a volta ao Rock profundamente americano, na esteira de "Born In The USA" (1984) ou o já referido "The Rising", como atesta o primeiro avanço, já com vídeo, Radio Nowhere: o verdadeiro single rock, com ritmo de single rock, duração de single rock (3')...
Confesso não se tratar da faceta que mais me agrada no Boss, mas o legado do homem justifica, desde logo, a referência.


Radio Nowhere, Bruce Springsteen & The E-Street Band
"Magic" (2007)
publicado por Olavo Lüpia às 00:45 | link do post | comentar | feedbacks (1)

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

Rock Stock

Bichos Protegidos da Serra da Malcata

posts recentes

tags

Creative Commons License
Andróide Paranóide by Andróide Paranóide is licensed under a Creative Commons License.