Quinta-feira, 10.12.09

O Fascínio pelo Assassino #10 - Hey Joe

Hey Joe é um tema celebrizado pela interpretação de 1966 da Jimi Hendrix Experience, contando a história de um crime passional - porque é que nunca se deu este caso prático nas faculdades de Direito portuguesas para se estudar a problemática 'homicídio qualificado vs homicídio privilegiado' é mais uma das coisas que nunca vou conseguir entender.

Estruturalmente, diga-se que a música é um bom suporte para a letra, tendo a sua progressão de acordes ascendente o dom de propulsionar o efeito dramático crescente da história, que começa pela intenção de matar, ao que se lhe segue o crime e a posterior fuga para o México para evitar o castigo.
 
A verdadeira autoria de Hey Joe é um tema bastante complexo, sendo que a 'doutrina' divide-se entre se tratar de uma música do folclore dos Estados Unidos ou uma música composta por Billy Roberts (em 1962, a partir de uma melodia tradicional), que registou os direitos de composição em seu nome.

A música foi passando 'de guitarra em boca' e vice-versa, tornando-se uma música recorrente no repertório do rock de garagem da Califórnia. A mais conhecida é a versão dos The Leaves. Perdão, três versões dos The Leaves, a primeira em 1965 (com o título Hey Joe Where You Gonna Go?) e as restantes em 1966 (já apodada de Hey Joe). Em baixo fica uma delas.

Hey Joe - The Leaves

Hendrix ouviu-a e, da mesma forma como faria com All Along The Watchtower de Dylan, tornou-a sua e definitiva, gravando-a em single em 1966 e fazendo-a constar do disco de estreia da sua Experience, "Are You Experienced?", do mesmo ano.

Hey Joe - The Jimi Hendrix Experience

Após a gravação de Hendrix, muita gente fez-lhe o mesmo, de Cher aos Body Count, passando pelos Byrds, Tim Rose, os Deep Purple 'and so on, back and forth'.

Frank Zappa optou por um caminho diferente e, em Punk Flower, do seu disco de 1968 "We're Only In It For The Money", toma-lhe o mote e o formato pergunta-resposta para brincar com o movimento floral dos 60's: «Hey, Punk, where are you goin' with that flower in your hand?/I'm goin' down to Frisco to join a psychadelic band...»

Flower Punk - Frank Zappa & The Mothers Of Invention

De todas as versões da canção, registe-se a versão de Patti Smith. Em 1974, Hey Joe foi o seu primeiro e óptimo single.

Hey Joe - Patti Smith
publicado por Olavo Lüpia às 01:55 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Terça-feira, 18.08.09

First Rays of the New Rising Sun/Concertos

O ano do tasco começou assim.
E o 'cromo' que colocamos em baixo até é repetido, mas incontornável. Faz hoje, ao raiar do dia (hora de Bethel, NY), 40 anos sobre o concerto de Jimi Hendrix no Festival de Woodstock, sob a designação The Gipsy Sun & Rainbows.
Aqui fica, completa, a esfuziante actuação do 'bando de ciganos' de Jimi Hendrix.


The Gipsy Sun & Rainbows (The Jimi Hendrix Experience)
Quinta de Max Yasgur, Bethel, NY, Festival de Woodstock
18.08.1969
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Sexta-feira, 10.07.09

Porque hoje é Sexta...


The Jimi Hendrix Experience, "Axis: Bold As Love" (1967)
publicado por Olavo Lüpia às 10:34 | link do post | comentar
Sexta-feira, 02.01.09

Porque hoje é Sexta.../First Rays Of The New Rising Sun



Freedom
Izabella
Hey Baby (New Rising Sun)
Jimi Hendrix , "First Rays Of The New Rising Sun", 1997 (Gravações de 1970)
publicado por Olavo Lüpia às 05:50 | link do post | comentar
Quinta-feira, 18.09.08

Decomposing Composers #7

[27.11.1942 - 18.09.1970]


Não é apenas a guitarra de Hendrix que ecoará para sempre, sendo obrigatória a lembrança da vertente criadora de Hendrix, seja no domínio do jazz (Third Stone From The Sun), blues (Red House), rock (Spanish Castle Magic) ou pop (Bold As Love)... sempre em tons psicadélicos.

Third Stone From The Sun
Red House
The Jimi Hendrix Experience, "Are You Experienced?" (1967)
Spanish Castle Magic
Bold As Love
The Jimi Hendrix Experience, "Axis: Bold As Love" (1967)

Ver ainda o post de há um ano atrás sobre a morte de Hendrix e o concerto de Woodstock (com vídeo integral do espectáculo).
publicado por Olavo Lüpia às 16:32 | link do post | comentar
Sexta-feira, 16.11.07

Porque hoje é Sexta-uã-uã-uã-uã-uã...

Voodoo Child (Slight Return) - The Jimi Hendrix Experience
"Electric Ladyland" (1968)


Voodoo Child (Slight Return), The Jimi Hendrix Experience
(ao vivo, 1969)
publicado por Olavo Lüpia às 00:43 | link do post | comentar
Terça-feira, 18.09.07

Excuse me while I kiss the sky...

Faz hoje 37 anos que Jimi Hendrix foi encontrado pela sua namorada de então, sufocado no seu próprio vómito, após se ter deitado aconchegado por nove comprimidos para dormir.
Enquanto este vivo, Hendrix revolucionou a guitarra, sendo, ontem, hoje e sempre, referência maior para todos os praticantes do popular instrumento.
Do wah-wah às dive-bombs, a técnica irrepreensível e uma imaginação sem par fizeram dele um mito. Dele é referido também o carácter afável.
Um dos seus espectáculos mais celebrado foi o concerto em Woodstock. Previsto para a meia-noite, por atrasos e dificuldades técnicas, o concerto só começou já na manhã do dia 18 de Agosto de 1969, quando cerca de metade da assistência já havia abandonado o local de Bethel, NY.
É um tour de force de Jimi Hendrix, com a banda que o próprio denominou de The Gipsy Suns and Rainbows, com os "experimentados" Mitch Mitchell na bateria e Billy Cox no baixo, aos quais se juntaram Larry Lee na guitarra e Jerry Velez e Juma Sultan na percussão (este último, clara e amplamente drógádo, o que contrastava - e muito - com o registo apenas "bastante pedrado" dos restantes).

Tocar guitarra com os dentes, dive-bombs, solos com distorção fuzz e wah-wah e todos estes combinados com uma versão ácida e imortal da Star Sprangled Banner são apenas alguns dos ingredientes que constam do registo vídeo do concerto.

publicado por Olavo Lüpia às 12:44 | link do post | comentar
Segunda-feira, 18.06.07

Monterey International Pop Music Festival


Numa altura em que passam 40 anos sobre muitos dos mais marcantes acontecimentos musicais (por referência ao excepcional ano de 1967), o Festival Pop de Monterey, Califórnia, não podia ser esquecido.
Todos os artistas que por lá passaram actuaram de borla (à excepção de Ravi Shankar) e as mais de 200.000 pessoas que por lá passaram pagaram 1 dólar para assistir. Os proveitos reverteram para acções de beneficiência.
Considerado como a ante-câmara para o "Verão do Amor", o Festival de Monterey também é visto como o acontecimento que serviu de referência para a realização do Festival de Woodstock (Agosto de 1969).

No primeiro dia, sexta-feira, 16.06.1967, apresentaram-se The Association, The Paupers, Lou Rawls, Beverly, Johnny Rivers, os Animals e estes jovens Paul Simon e Art Garfunkel, aqui com Homeward Bound.


Homeward Bound, Simon & Garfunkel

No segundo dia, Sábado, 17.06.1967, actuaram Canned Heat, Big Brother & The Holding Company (com Janis Joplin), Country Joe and The Fish, Al Kooper, The Paul Butterfield Blues Band, Quicksilver Messenger Service, Steve Miller Band, The Electric Flag, Moby Grape, Hugh Masekela, The Byrds, Laura Nyro, Jefferson Airplane, Booker T and The MG's e Otis Redding.


Ball and Chain, Big Brother & The Holding Company (com Janis Joplin)

Para o último dia, Domingo, 18.06.1967, ficaram guardadas as actuações de Ravi Shankar, The Blues Project, Big Brother & The Holding Company, The Group With No Name, Buffalo Springfield, The Who, Grateful Dead, The Jimi Hendrix Experience, Scott McKenzie e os The Mamas & The Papas.


San Francisco, Scott McKenzie com os The Mamas & The Papas


Para finalizar, deixo um recorte daquele que terá sido o momento performativo mais marcante de Monterey: a actuação da Experience de Jimi Hendrix. Mais concretamente, o final do seu set, com a versão de Wild Thing (original de Chip Taylor, originalmente gravada pelos The Wild Ones, mas mais conhecida pela versão dos The Troggs), na qual Hendrix queima e destrói a sua Fender Stratocaster.


Wild Thing, The Jimi Hendrix Experience
publicado por Olavo Lüpia às 00:48 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Domingo, 25.03.07

Os guitarristas e os hinos

Um num registo mais swing, o outro em explosões de psicadelismo, dois momentos excepcionais de dois artistas de excepção: Django e Jimi.

Echoes of France (La Marseillaise) - Django Reinhardt

Star Spangled Banner - Jimi Hendrix
(retirada da histórica performance no Festival de Woodstock, aos primeiros raios de sol do dia 18 de Agosto de 1969)
publicado por Olavo Lüpia às 18:26 | link do post | comentar
Quarta-feira, 07.02.07

10/10 (dez-em-dez) - "Are You Experienced?", 1967


Talvez o melhor guitarrista de todos os tempos. De longe, um dos que influenciou mais gente. Pode dizer-se que existe a guitarra antes de Hendrix (AH) e outra depois de Hendrix (DH). Do uso do pedal de wha-wha [ouça-se Voodoo Chile (Slight Return)] ao som fuzz da guitarra, o uso do tremolo ou barra whammy para, em conjunto com o feedback, inventar as dive bombs... (Cenas!...)
É também um factor exponencial (espero não estar a dar uma argolada técnica!) da era psicadélica, da geração do amor e de Woodstock.

"Are You Experienced", lançado em 12.05.1967, é o primeiro LP da Jimi Hendrix Experience (com Hendrix na guitarra e voz, Chas Chandler no baixo e Mitch Mitchell na bateria).
Nele podemos encontrar de quase tudo: o rock «sexy» de Love Or Confusion, Fire ou Foxy Lady, com riffs fabulosos (como o de Purple Haze ou I Don't Live Today); o jazz «ácido» de Third Stone From The Sun ou Manic Depression; as baladas May This Be Love e The Wind Cries Mary; a completamente psicadélica Are You Experienced?; a soul de Remember; e o «12-bar blues» de Red House.
Já para não falar do mega êxito, Hey Joe.
Tudo isto servido com aqueles comprimidinhos mágicos que fazem a vida ficar bem mais colorida!... Em todos essas músicas existe o psicadelismo.
Em suma, um disco muito variado, uma das melhores álbuns de estreia de sempre. Um disco que apenas não chegou ao #1 das tabelas britânicas devido a outro monstro, "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band", dos Beatles.

Termino com uma história que é História.
Consta que Hendrix era um porreiraço, mesmo quando já nem conseguia falar e muito menos saber onde está... No dia 4 de Junho de '67, Hendrix tocava o último concerto em Londres, antes de voar até aos Estados Unidos. Esse espectáculo, no Saville Theatre, contou com muitas celebridades na plateia, como Eric Clapton, Jack Bruce, Brian Epstein e os Beatles McCartney e Harrison.
Pois bem, Hendrix aprendeu a tocar a música novinha dos Fab Four, Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band, e abriu o concerto com ela para lhes prestar homenagem! Conseguem imaginar um acto tão enorme como este no pop rock de hoje em dia?
Quanto ao que interessa:
Purple Haze
Manic Depression
Hey Joe
May This Be Love
The Wind Cries Mary
Fire
Foxey Lady
Are You Experienced?
publicado por Olavo Lüpia às 01:31 | link do post | comentar
Quinta-feira, 25.01.07

Música que "Tem de ser ouvida para se acreditar"

Foi assim que a Hit Parader descreveu a introdução de guitarra de Jimi Hendrix para Little Wing (1967).
De facto, é um pedaço de antologia o que Hendrix faz em apenas meio minuto. Os restantes dois minutos são simplesmente belíssimos.
Pensando bem, não haveria Yellow Ledbetter (Pearl Jam) ou Under The Bridge (Red Hot Chili Peppers) para ninguém (entre outras) se não se tivessem feito coisas como esta...

Little Wing - Jimi Hendrix
"Axis: Bold As Love" (1967)

publicado por Olavo Lüpia às 02:10 | link do post | comentar
Sexta-feira, 29.09.06

Porque hoje é Sexta...





Crosstown Traffic, Jimi Hendrix
Electric Ladyland (1968)
publicado por Olavo Lüpia às 02:29 | link do post | comentar

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

Rock Stock

Bichos Protegidos da Serra da Malcata

posts recentes

tags

Creative Commons License
Andróide Paranóide by Andróide Paranóide is licensed under a Creative Commons License.