Sexta-feira, 03.01.14

10/10 (dez-em-dez) - "The Stone Roses", The Stone Roses, 1989

 

01. I Wanna Be Adored

02. She Bangs the Drums

03. Waterfall

04. Don't Stop

05. Bye Bye Badman

06. Elizabeth My Dear

07. Sugar Spun Sister

08. Made of Stone

09. Shoot You Down

10. This Is The One

11. I Am The Resurrection

publicado por Olavo Lüpia às 11:54 | link do post | comentar
Sexta-feira, 25.10.13

10/10 (dez-em-dez) - "New York", Lou Reed, 1989

 

01. Romeo Had Juliette

02. Halloween Parade

03. Dirty Blvd.

04. Endless Cycle

05. There Is No Time

06. Last Great American Whale

07. Beginning of a Great Adventure

 

08. Busload of Faith

09. Sick of You

10. Hold On

11. Good Evening Mr. Waldheim

12. Xmas in February

13. Strawman

14. Dime Store Mystery

publicado por Olavo Lüpia às 10:13 | link do post | comentar | feedbacks (3)
Terça-feira, 19.03.13

10/10 (dez-em-dez) - "Doolittle", Pixies, 1989

 

 

 

01. Debaser

02. Tame

03. Wave of Mutilation

04. I Bleed

05. Here Comes Your Man

06. Dead

07. Monkey Gone to Heaven

08. Mr. Grieves

09. Crackity Jones

10. La La Love You

11. No. 13 Baby

12. There Goes My Gun

13. Hey

14. Silver

15. Gouge Away

publicado por Olavo Lüpia às 15:30 | link do post | comentar
Segunda-feira, 13.09.10

Blue Mondays...

 

Variações Sobre o Mondego

Variações Sobre o Mondego #1

Variações Sobre o Mondego #2

Carlos Paredes, "Asas Sobre o Mundo" (1989)

publicado por Olavo Lüpia às 20:31 | link do post | comentar
Sexta-feira, 02.07.10

Porque hoje é Sexta...

I Put a Spell On You, Screamin' Jay Hawkins

ao vivo no programa "Night Music", apresentado por David Sanborn, 1989.

publicado por Olavo Lüpia às 16:15 | link do post | comentar
Sexta-feira, 02.04.10

Porque hoje é Sexta...

Personal Jesus, Depeche Mode

(1989)

publicado por Olavo Lüpia às 14:43 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Sexta-feira, 12.02.10

Porque hoje é Sexta...


Mr. Cab Driver, Lenny Kravitz
"Let Love Rule" (1989)
publicado por Olavo Lüpia às 11:11 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Terça-feira, 06.05.08

It's Hard To Be A Saint In The City


A foto acima é de Novembro de 1974 e a "constituição da equipa" é 2/3 fácil de fazer. A meio, a figura que parece um tio distante de Philip Seymour Hoffman é Ed Sciaky, à altura DJ da Rádio WMMR-FM, de Philadelphia.
É Sciaky quem telefona a Springsteen, no dia 24 daquele mês, dizendo que queria apresentá-lo a Bowie (após pedido do próprio Camaleão). Bruce apanha, então, um autocarro até à capital da Pennsylvania e conhece Bowie nessa noite nos estúdios da Sigma Sound - onde haviam decorrido as gravações do disco "Young American".
No dia a seguir, Springsteen grava uma mensagem de Natal para Sciaky e para a sua rádio à tarde e, pela noite, vai com aquele ver o espectáculo que Bowie daria no Spectrum de Philadelphia.
Bowie, talvez por timidez, não o disse, logo, Springsteen não o soube, mas o primeiro, durante as referidas gravações de "Young American", havia gravado uma versão de It's Hard To Be a Saint In The City, que viria a ficar de fora daquele disco. Esta cover apenas aparece, anos mais tarde, em algumas compilações [*].
Do original para a versão, o rock perde a negritude soul jazz do Springsteen inicial e ganha a cor, a lúxuria e o glam do Bowie dos meados dos 70's - bem patente, por exemplo, naquelas cordas irrequietas, nas raias da disco.

It's Hard To Be a Saint In The City - Bruce Springsteen
"Greetings from Asbury Park, N.J." (1973)

It's Hard To Be A Saint In The City [outtake de "Young Americans"] - David Bowie
"Sound + Vision" (1989)

[letra]
[fonte: Brucebase, 1974]
____________________________________
[* "Sound + Vision" (1989), "Alternate Biography" (1997), "The Best of David Bowie 1974-1979" (1998), entre outros, de Bowie; também surge no disco de homenagem a Springsteen "One Step Up/Two Steps Back: The Songs of Bruce Springsteen" (1997).]
publicado por Olavo Lüpia às 00:42 | link do post | comentar | feedbacks (5)
Sexta-feira, 18.04.08

Porque hoje é Sexta...


Stone Cold Bush, Red Hot Chili Peppers
do filme-concerto "Psychedelic Sexfunk Live From Heaven" (1990)


Stone Cold Bush, "Mother's Milk" (1989)
publicado por Olavo Lüpia às 10:24 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Segunda-feira, 04.02.08

Blue Mondays...



Xmas in February, Lou Reed
"New York" (1989)
publicado por Olavo Lüpia às 01:24 | link do post | comentar
Quinta-feira, 07.06.07

Directamente do baú

"New York" (1989)

«This album was recorded and mixed at Media Sound, Studio B, N.Y.C., in essentially the order you have here. It's meant to be listened to in one 58 minute (14 songs!) sitting as though it were a book or a movie» - Lou Reed.

Sempre ligado à sua cidade, só no final dos anos 80 é que Lou Reed dedica um disco a New York. 14 histórias e fábulas urbanas.

Numa visita a uma grande superfície comercial ali para os lados do Porto, o meu irmão mostrava-me a sua última conquista: «Este é o Lou Reed...», disse-me enquanto me mostrava o vinil do "New York".
Eu tinha 12 ou 13 anos e não percebi nada do que ele me estava a dizer. O pouco inglês que eu sabia tinha-me sido ensinado pelos filmes, pelo Bruce Springsteen e pelo Bob Dylan. Não o sabia, mas estava a dias de juntar o Lou Reed à lista de "professores".
O que eu não atingi foi que um disco como "New York" (com as histórias imbricadas, o sarcasmo e a "bílis na língua" típicos de Lou Reed) é imperceptível para um puto de 12 ou 13 anos que havia nascido, vivia e crescia numa pequena terra do Norte de Portugal.

O som é cru. Temos duas guitarras, um baixo e uma bateria - ponto. Não abundam arranjos musicais fascinantes, só o velho mote de Dylan «...a red guitar, three chords and the truth» - pelo menos, a verdade de Lou Reed.


Dirty Blvd.

E são mesmo as palavras que sobressaem. Há de tudo em "New York".
Uma história de amor nas franjas da sociedade - com traficantes de droga e gangs armados em Romeo Had Juliette - em três minutos. Uma descrição agridoce e comovente do desfile do Halloween de Greenwich Village, para doentes de SIDA, em Halloween Parade. Em Dirty Blvd., vamos conhecer Pedro, que vive num hotel merdoso com 9 irmãos à sua conta, instintos parricidas originados nas cargas de pancada que leva por estar demasiado cansado para pedir dinheiro nas ruas e a falta de opções que faz com que o sonho passe por ser "dealer" ou, muito mais simples para uma criança como ele, olhar para o céu, contar até 3 e voar dali para fora.
Endless Cycle é uma peça sobre o ciclo interminável da violência que passa entre gerações como se de doença hereditária se tratasse. Um homem que luta contra a herança de violência e abuso de drogas. Do outro lado, uma mulher que se debate com sua própria herança de violência e alcoolismo. O remate de Reed:
«(...)
The man if he marries will batter his child
And he'll have endless excuses
The woman sadly will do much the same
Thinking that it's right and it's proper.
Better than their mommy and their daddy did
Better than the childhood that they suffered
The truth is they're happier when they're in pain
In fact that's why they got married
».

O repto para a mudança de There Is No Time é seguido de um retrato impressionante, fabuloso, duríssimo mas cómico, da América e dos americanos, à laia da sua indiferença perante as questões ambientais, em Last Great American Whale (com a Velvet Underground "Moe" Tucker na percussão):
«(...)
Americans don't care to much for beauty
They'll shit in a river, dump battery acid in a stream
They'll watch dead rats wash up on the beach
and complaint if they can't swim (...)».

A seguir, Lou Reed compila uma série de conselhos "preciosos" a dar a um filho que venha a gerar. Adivinham os que acharam que o cinismo e o cepticismo abundam na jazzy Beggining of a Great Adventure, que fecha o lado A do disco.

Last Great American Whale
Beggining of a Great Adventure

O niilismo é o ponto forte da faixa que abre o Lado B, Busload of Faith, segundo a qual não se pode contar com a família, amigos, princípios e fins, deus, inteligência, mas apenas e só com a crueldade, com o pior e com uma enorme dose de fé para nos aguentarmos.
Sick Of You tem como alvo a sociedade e a política: a nova-iorquina e, depois, a de todos os EUA. A violência - em especial, a racial - é o tema de Hold On.
A política, agora aliada à religião, é-nos servida amarga em Good Evening, Mr. Waldheim. Kurt Waldheim havia sido Secretário-Geral da ONU entre 1972 e 1982 e, naquela altura, desempenhava o cargo de Presidente da Áustria (1986-1992). Era conotado como tendo ideias anti-semitas e persona non grata nos Estados Unidos. Logo na primeira frase, Reed fala do que ele e o Papa tinham em comum... A seguir, os focos vão para o Rev. Jesse Jackson (também ele com gaffes sobre judeus e ligações a Louis Farrakhan, líder da organização social e política "Nation of Islam") e a OLP.
Xmas in February é a história de Sam, um veterano do Vietname, da sua alienação face à sociedade e do alheamento desta para com ele.
Em Strawman, Lou Reed dispara em todas as direcções, dos excessos da indústria cinematográfica a Michael Jackson, do programa espacial americano ao Presidente e na futura colheita amarga do que a sociedade americana estava a semear.

O disco acaba com um off-topic em regime experimental, (The Last Temptation of The) Dime Store Mistery, dedicado ao recém falecido Andy Warhol, em mais um excelente texto. Mais uma vez, com a percussão de "Moe" Tucker.

Busload of Faith
Dime Store Mistery

Esta última música acaba por fazer a ponte com o trabalho seguinte, a meias com John Cale, "Songs For Drella".

Muito fica por dizer sobre "New York", sobre a Statue of Bigotry a que Lou Reed se refere em duas alturas diferentes do disco, sobre a desconfiança da própria mãe, sobre o "não acreditar em nada do que se ouve e só em metade do que se vê"...
O melhor mesmo é ouvirem e lerem, de um só "gole", em 58 minutos.
publicado por Olavo Lüpia às 02:21 | link do post | comentar | feedbacks (2)

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

Rock Stock

Bichos Protegidos da Serra da Malcata

posts recentes

tags

Creative Commons License
Andróide Paranóide by Andróide Paranóide is licensed under a Creative Commons License.