Sexta-feira, 22.11.13

10/10 (dez-em-dez) - "The Beatles (White Album)", The Beatles, 1968

Faz hoje 45 anos sobre o lançamento do disco homónimo dos Beatles, conhecido para todo o sempre como o Álbum Branco.

 

 

[I]

01. Back In The U.S.S.R.

02. Dear Prudence

03. Glass Onion

04. Ob-La-Di, Ob-La-Da

05. Wild Honey Pie

06. The Continuing Story Of Bungalow Bill

07. While My Guitar Gently Weeps

08. Happiness Is A Warm Gun

 

09. Martha My Dear

10. I'm So Tired

11. Blackbird

12. Piggies

13. Rocky Racoon

14. Don't Pass Me By

15. Why Don't We Do It In The Road?

16. I Will

17. Julia

 

[II]

01. Birthday

02. Yer Blues

03. Mother Nature's Son

04. Everybody's Got Something To Hide Except Me And My Monkey

05. Sexy Sadie

06. Helter Skelter

07. Long, Long, Long

 

08. Revolution 1

09. Honey Pie

10. Savoy Truffle

11. Cry Baby Cry

12. Revolution 9

13. Good Night

publicado por Olavo Lüpia às 14:42 | link do post | comentar
Quinta-feira, 28.03.13

10/10 (dez-em-dez) - "Astral Weeks", Van Morrison, 1968

 

[In The Beginning]

1. Astral Weeks

2. Beside You

3. Sweet Thing

4. Cyprus Avenue

 

[Afterwards]

5. The Way Young Lovers Do

6. Madame George

7. Ballerina

8. Slim Slow Slider

publicado por Olavo Lüpia às 16:08 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Segunda-feira, 08.11.10

Blue Mondays...

 

While My Guitar Gently Weeps - The Beatles

"The Beatles (White Album)" (1968)

publicado por Olavo Lüpia às 23:11 | link do post | comentar
Quinta-feira, 10.12.09

O Fascínio pelo Assassino #10 - Hey Joe

Hey Joe é um tema celebrizado pela interpretação de 1966 da Jimi Hendrix Experience, contando a história de um crime passional - porque é que nunca se deu este caso prático nas faculdades de Direito portuguesas para se estudar a problemática 'homicídio qualificado vs homicídio privilegiado' é mais uma das coisas que nunca vou conseguir entender.

Estruturalmente, diga-se que a música é um bom suporte para a letra, tendo a sua progressão de acordes ascendente o dom de propulsionar o efeito dramático crescente da história, que começa pela intenção de matar, ao que se lhe segue o crime e a posterior fuga para o México para evitar o castigo.
 
A verdadeira autoria de Hey Joe é um tema bastante complexo, sendo que a 'doutrina' divide-se entre se tratar de uma música do folclore dos Estados Unidos ou uma música composta por Billy Roberts (em 1962, a partir de uma melodia tradicional), que registou os direitos de composição em seu nome.

A música foi passando 'de guitarra em boca' e vice-versa, tornando-se uma música recorrente no repertório do rock de garagem da Califórnia. A mais conhecida é a versão dos The Leaves. Perdão, três versões dos The Leaves, a primeira em 1965 (com o título Hey Joe Where You Gonna Go?) e as restantes em 1966 (já apodada de Hey Joe). Em baixo fica uma delas.

Hey Joe - The Leaves

Hendrix ouviu-a e, da mesma forma como faria com All Along The Watchtower de Dylan, tornou-a sua e definitiva, gravando-a em single em 1966 e fazendo-a constar do disco de estreia da sua Experience, "Are You Experienced?", do mesmo ano.

Hey Joe - The Jimi Hendrix Experience

Após a gravação de Hendrix, muita gente fez-lhe o mesmo, de Cher aos Body Count, passando pelos Byrds, Tim Rose, os Deep Purple 'and so on, back and forth'.

Frank Zappa optou por um caminho diferente e, em Punk Flower, do seu disco de 1968 "We're Only In It For The Money", toma-lhe o mote e o formato pergunta-resposta para brincar com o movimento floral dos 60's: «Hey, Punk, where are you goin' with that flower in your hand?/I'm goin' down to Frisco to join a psychadelic band...»

Flower Punk - Frank Zappa & The Mothers Of Invention

De todas as versões da canção, registe-se a versão de Patti Smith. Em 1974, Hey Joe foi o seu primeiro e óptimo single.

Hey Joe - Patti Smith
publicado por Olavo Lüpia às 01:55 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Terça-feira, 06.10.09

Assustadoramente belo


Solidão, Amália Rodrigues
(Brasov, Roménia, 'Golden Stag Festival', Março 1968)
publicado por Olavo Lüpia às 23:57 | link do post | comentar
Sábado, 22.11.08

...


Birthday - The Beatles
"White Album" (1968)
publicado por Olavo Lüpia às 17:22 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Sexta-feira, 21.11.08

Porque hoje é Sexta.../A ternura dos 40/ 10/10 (dez-em-dez)


O 'álbum branco' dos Beatles faz 40 anos amanhã (data de lançamento). A coisa começa assim...


Back In The U.S.S.R., The Beatles
"White Album" (1968)
publicado por Olavo Lüpia às 01:21 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Terça-feira, 11.11.08

A ternura dos 40


Acaba de se completar o 40.º aniversário do clássico "Astral Weeks", de Van Morrison. Para festejar a efeméride, o próprio subiu este fim de semana ao palco do Hollywood Bowl de L.A., na sexta e no sábado, para recriar o disco que, em conjunto com o seu sucessor, "Moondance" (1970), constitui o acervo que George Ivan Morrison deixa à História da Música.

Astral Weeks
Sweet Thing
The Way Young Lovers Do
Slim Slow Slider
Van Morrison, "Astral Weeks" (1968)
publicado por Olavo Lüpia às 07:00 | link do post | comentar | feedbacks (2)
Quarta-feira, 10.09.08

O fascínio pelo assassino # 5 - Pretty Polly/Ballad of Hollis Brown

Pretty Polly é uma música tradicional encontrada no folclore britânico assim como na região Apalache dos Estados Unidos. Parece ter nascido como uma derivação encurtada da canção The Gosport Tragedy.
Em poucas palavras, trata-se da história da jovem e bela Polly, atraída para a floresta por um seu pretendente (Willy, que noutras versões usa outro dos diminutivos de William, Billy), que acaba por matá-la e enterrá-la numa cova que havia cavado na noite anterior.
Sendo uma música do folclore tradicional, desde logo se adivinha como há muitas versões da mesma música. Aqui ficam duas, curiosamente do mesmo ano, por Dock Boggs (na foto acima) e B. F. Shelton. Em ambas, a voz é acompanhada apenas pelo banjo.

Pretty Polly - Dock Boggs (1927)
Pretty Polly - B. F. Shelton (1927)

De entre outra gente que também cantou Pretty Polly, refira-se, desde já, os nomes de Bert Jansch, Judy Collins, Kristin Hersh ou os Byrds.

Pretty Polly - The Byrds
"Sweetheart Of The Rodeo" (1968)

Em 1964, Bob Dylan (o Dylan recolector) agarra na estrutura musical e frásica de Pretty Polly - que, segundo se diz, também tocou - para compor a negríssima Ballad of Hollis Brown, a história de um agricultor de South Dakota que, vivendo na penúria com a sua família, vê a farinha e a água faltar, os 5 filhos famintos e em lágrimas e a sua mulher aos brados, decide gastar os seus últimos tostões em sete projécteis de caçadeira, nem sendo preciso adivinhar o fim do conto.

Ballad of Hollis Brown - Bob Dylan
"The Times They Are A-Changin'" (1964)


[O cantor country TJ McFarland, na sua música Kurt Cobain, refere que o líder dos Nirvana, antes da fama, tocava a música Pretty Polly. Isto talvez se conjugue para quem ache que a música Polly pode ter sido influenciada por aquela. No entanto, não sei... a) quem é este TJ McFarland nem como ele terá conhecido Cobain; b) como é que a música acima mencionada tem a ver com a que relata a história verídica de uma rapariga de 14 anos raptada e violada, pela visão do agressor. De qualquer forma, e para completar, aqui ficam:

Kurt Cobain - TJ McFarland
"Howlin' Wild" (2007)
Polly - Nirvana
"Nevermind" (1991)]
publicado por Olavo Lüpia às 05:00 | link do post | comentar
Quarta-feira, 14.05.08

You Are What You Is - A Onomástica no clã Zappa


Busto de Frank Zappa, Vilnius, Lituânia

Não se trata apenas da peculariedade do nomes dos discos, como "Hot Rats", "Lumpy Gravy", "We're Only In It For The Money", "Uncle Meat", "Weasels Ripped My Flesh", "Chunga's Revenge", "Ship Arriving Too Late To Save a Drowning Witch", "You Can't Do That On Stage Anymore" (Vol. I - VI) ou "The Best Band You Never Heard In Your Life" e a lista continua...
Frank e Adelaide Gail Sloatman tiveram 4 filhos, cujos nomes originaram repetidas questões de jornalistas e anfitriões de talk shows.
À primogénita, nascida em 1967, foi ofertado o prodigioso nome Moon Unit Zappa. «Na verdade, foi uma escolha entre esse e Motor Head», explicou o pai a David Letterman, numa entrevista em 1982. É actriz e música, mas ficou mais conhecida por, aos 14 anos, ter sido a voz afectada de Valley Girl, uma paródia às miúdas superficiais de San Fernando Valley, LA.

Valley Girl - Frank Zappa (com Moon Unit Zappa)
"Ship Arriving Too Late To Save a Drowning Witch" (1982)

O segundo filho de Frank foi registado como Ian Donald Calvin Euclid Zappa, mas só se apercebeu desse facto aos 7 anos, já que até aí (como depois) toda a gente lhe chamava Dweezil - a primeira escolha de Frank, recusada no registo civil lá do sítio. Por vontade do filho e com a ajuda de um advogado, Dweezil deixou de ser apenas alcunha e passou a nome oficial. É guitarrista e um muito bom guitarrista. Terá herdado essa característica do pai.
O terceiro filho chama-se - preparem-se! - Ahmet Emuukha Rodin Zappa, e é músico, actor e romancista.
A quarta e última filha do casal Zappa também tem um nome fora do comum, talvez o melhor de todos: Diva Thin Muffin Pigeen Zappa. Sim, esse nome todo...
Sim, estes nomes todos...

Diva, Ahmet, Moon & Dweezil

The Idiot Bastard Son - Frank Zappa & The Mothers of Invention
"We're Only In It For The Money" (1968)
Muffin Man - Frank Zappa & The Mothers
"Bongo Fury" (1975)
publicado por Olavo Lüpia às 01:57 | link do post | comentar
Sexta-feira, 16.11.07

Porque hoje é Sexta-uã-uã-uã-uã-uã...

Voodoo Child (Slight Return) - The Jimi Hendrix Experience
"Electric Ladyland" (1968)


Voodoo Child (Slight Return), The Jimi Hendrix Experience
(ao vivo, 1969)
publicado por Olavo Lüpia às 00:43 | link do post | comentar
Quinta-feira, 18.10.07

Assustadoramente belo


Suzanne, Leonard Cohen
performance ao vivo na Ilha de Wight, 1970.
original de "The Songs of Leonard Cohen" (1968)
publicado por Olavo Lüpia às 02:19 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Sexta-feira, 13.07.07

Porque hoje é Sexta...

- What you gon' play now?
- Bobby, I don't know, but whatso'n'ever I play, it's got to be funky!


Papa's Got a Brand New Bag - James Brown (1965)

I Got The Feelin' - James Brown (1968)

Say It Loud (I'm Black and I'm Proud) - James Brown (1968)

Make It Funky - James Brown (1971)
publicado por Olavo Lüpia às 02:06 | link do post | comentar
Quarta-feira, 09.05.07

Van Morrison Vs Jeff Buckley (II)

Depois de The Way Young Lovers Do (post para o qual remeto as explicações adicionais), desta vez, o objecto de estudo é Sweet Thing.
Mais uma vez, uma (rectius, duas) obra(s) de arte.


Sweet Thing - Van Morrison
"Astral Weeks" (1968)
Sweet Thing - Jeff Buckley
"Live at Sin-é Legacy Edition" (2003)
publicado por Olavo Lüpia às 04:18 | link do post | comentar
Quinta-feira, 26.04.07

Assustadoramente belo/Sob o efeito de hipnóticos

Song To The Siren é considerada uma das melhores canções de sempre. Justamente.
Não só a música é lindíssima e hipnótica como o canto da sua musa, como a letra é excelente.
Escrita a meias por Tim Buckley e Larry Beckett (companheiro de Tim na banda The Bohemians, no início dos anos 60).
A primeira aparição pública da canção surge em Março de 1968, no programa televisivo da banda The Monkees, apenas com a guitarra de 12 cordas a acompanhar a impressionante voz de Buckley.


A música é editada por Tim Buckley apenas em 1970, como parte do excelente "Starsailor".

Song To The Siren, "Starsailor" (1970)


14 anos depois, os This Mortal Coil gravam a música, mudando-lhe um pouco a letra. A hipnose é quase completa, até atendendo à forma como Elizabeth Fraser canta.
Esta é a versão mais conhecida da música. O realizador David Lynch apaixonou-se completamente por esta versão, tendo querido introduzi-la no filme "Veludo Azul" (Blue Velvet, 1986), mas não conseguiu os direitos da música. Conseguirá, mais tarde, incluí-la no filme "Estrada Perdida" (Lost Highway, 1997), mas não lhe é permitida a sua inclusão no disco da banda sonora. Conhecida também a inclusão de um excerto da música num anúncio televisivo ao perfume "Noah".

Song To The Siren, This Mortal Coil
"It'll End In Tears" (1984)


Muita outra gente fez versões desta canção. A título de exemplo, e por deferência com o peso musical da personagem, aqui fica a versão do ex-Led Zepp, Robert Plant.

Song To The Siren, Robert Plant
"Dreamland" (2002)
publicado por Olavo Lüpia às 01:20 | link do post | comentar | feedbacks (3)
Sexta-feira, 23.03.07

Porque hoje é Sexta...

Jumpin' Jack Flash - The Rolling Stones
(1968)
Start Me Up - The Rolling Stones
"Tattoo You" (1981)

Ou, como diria o meu amigo Heldito, "Zdrá-mi-ou"!!!!
Parece estar confirmada a próxima vinda dos Stones a Portugal: 25 de Junho, no Estádio de Alvalade.
publicado por Olavo Lüpia às 00:56 | link do post | comentar
Sexta-feira, 02.03.07

Porque hoje é Sexta...

Helter Skelter - The Beatles
"White Album" (1968)

Uma música que põe qualquer um em completo estado de ebulição.

[Esta é a original. Antes, portanto, de ser roubada pelo Charles Manson e recuperada pelos U2, em "Rattle and Hum" (1988).]
publicado por Olavo Lüpia às 01:22 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Terça-feira, 12.12.06

...

EU FIZ AS CONTAS...


Então... e o buço?

(confesso que resulta melhor com o outdoor da campanha...)

Girl, You'll Be a Woman Soon - Urge Overkill
"Pulp Fiction OST" (1994)
What's The Ugliest Part Of Your Body? - Frank Zappa
"We're Only In It For The Money" (1968)
Fine Girl - Frank Zappa
"Tinsel Town Rebellion" (1981)
publicado por Olavo Lüpia às 01:59 | link do post | comentar | feedbacks (1)
Quinta-feira, 07.12.06

Porque hoje (Não) É Sexta (Mas é como se fosse)...

Boa onda! Soul em dose dupla!

Heard it Through The Grapevine, Marvin Gaye, 1968
(Que voz do caraças!)


Multiply, Jamie Lidell
"Multiply" (2005)
(E um agradecimento ao Fnacoso por me relembrar desta musiquita)
publicado por Olavo Lüpia às 02:54 | link do post | comentar
Sexta-feira, 29.09.06

Porque hoje é Sexta...





Crosstown Traffic, Jimi Hendrix
Electric Ladyland (1968)
publicado por Olavo Lüpia às 02:29 | link do post | comentar

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

Rock Stock

Bichos Protegidos da Serra da Malcata

posts recentes

tags

Creative Commons License
Andróide Paranóide by Andróide Paranóide is licensed under a Creative Commons License.