Sob o efeito de hipnóticos.../Novidades


11 anos depois do último de originais, 11 depois da sede de se ouvir qualquer coisa nova vinda dos de Bristol. Como primeira impressão diga-se que não há singles mais fáceis em "Third": não há Glory Box, Roads, OnlyYou, All Mine, etc.
A veia jazzy rende-se ao experimentalismo, num disco que até começa em português (do Brasil), na espiral dramática de nome Silence. A ouvir e a dissecar, pelas variadas opções curiosas e pontos de interesse que uma avaliação prematura não consegue absorver.


Magic Doors, Portishead
"Third" (2008)
publicado por Olavo Lüpia às 11:37 | link do post | comentar