Intermission - Ponto de situação

Meus amigos e amigas, acabo de ultrapassar as 1.000 visitas e 2.500 páginas vistas.
Isto começou por ser uma mailing list, que se transformou em tasco, um pouco como a história da Cinderela, se a imaginarem obesa, míope e de barba...
Primeiramente, agradeço aos clientes daqui do estaminé que, habitual ou ocasionalmente, por cá aparecem para me alegrar, aconchegar-me os lençóis e segurar-me a mão para eu adormecer, salvo seja (Suricata, não te apoquentes: isso só a ti está reservado!).
Depois, tinha mesmo que postar algumas das 1001 maneiras pelas quais alguns "incautos" aqui chegam, através de buscas no Google.
Por exemplo: para além de me encontrarem por "Corações de Atum" ou "Natália o nosso amor é verde vídeo" (o que é simpático), também já me entraram tasco dentro quando buscaram por "tomates padre inácio".
Pior. Dois desgraçados (que podem muito bem ser uma e a mesma pessoa) brasileiros entraram-me para o estabelecimento (estava eu a passar o chão e a arrumar as cadeiras) ao teclar as seguintes expressões "Lúpia é venérea?" ou, ainda mais explícito, "Lúpia é doença venérea?".
Não sei o que é que isto quererá dizer nem se me conhecem. Muito menos me quero pôr na mente (nem na pele/corpo, valha-me deus!) de qualquer ser que se sentiu impelido a procurar tais expressões no Google, mas uma coisa posso garantir: AQUI O LÜPIA NÃO É NENHUMA DOENÇA VENÉREA!!
Pelo sim, pelo não, e tentando não estragar o que tenho já reservado para 6.ª feira (não percam!), fiquem com a Cura:


The Walk, The Cure
(Versão engraçadíssima desta música - apesar dos vários "pregos" de Robert Smith -, com uma ideia espectacular envolvendo kazoos... Vejam! É do programa MTV Unplugged, de 24.01.1991)


publicado por Olavo Lüpia às 18:01 | link do post | comentar