Assustadoramente belo


Ne Me Quitte Pas, Jacques Brel


(E se ele não tivesse a cara tão assimétrica, ela provavelmente nunca o tinha deixado...)
publicado por Olavo Lüpia às 13:27 | link do post | comentar