Does Humour Belong In Music? (XVIII)

Hugh Laurie é agora mundialmente conhecido (e justamente) pelo seu desempenho enquanto Greg House, na série "House, M.D.".
Mas Laurie não é nenhum novato. Há mais de 20 anos que ele anda por aí e sempre o conheci como sendo um actor de comédia - aliás, não consigo imaginar o papel de Greg House representado por um não-humorista e os tempos de representação de Laurie a dar vida aos excelentes textos da série são prova disso. Ele representou as diferentes gerações da personagem George, na série "Blackadder" (na III, era o ignóbil Príncipe Regente; na IV, o acéfalo Tenente George Colhurst St. Barleigh; na série II, participou também fugazmente na figura do retardado Prince Ludwig), inclui-se ainda na saga "Stuart Little", entre muitas outras coisas.
Hugh Laurie fez uma parelha de sucesso na Grã-Bretanha com Stephen Fry (o Melchett de Blackadder), num programa chamado "A Bit of Fry & Laurie", nos anos 80 e 90.
É desse programa que saem os belíssimos momentos seguintes.
Para quem está atento ao "Dr. House", já se apercebeu que o homem toca muito bem piano e tem sempre uma guitarra (uma Gibson Les Paul, para ser mais exacto) lá por casa. Como compositor de humor é de se lhe tirar o chapéu.

Comecemos com o swing de The Sophisticated Song.
Depois, a pop melosa e ultra-dramática de I'm In Love With Steffi Graff (e o cabelo, meu deus, o cabelo).
E que tal uns blues, tocados com uma técnica impecável de guitarra? Too Long, Johnny.
A fenomenal Little Girl.

Para acabar, uma verdadeira pérola de génio: Mistery.


publicado por Olavo Lüpia às 01:04 | link do post | comentar