Intermission - 5 filmes

Respondendo ao desafio colocado primeiramente pelo dactilógrafo e agora pelo Daniel, este tasco vê-se em areias movediças para não se descaracterizar. Vou, então, escolher 5 filmes mais pela música - ainda que os adore, claro. Sem qualquer ordem:


"No Direction Home: Bob Dylan", Martin Scorcese (2005)
O maior e mais influente escritor de canções, num retrato focado no período entre 62 e 66, altura em que estava clara e amplamente possuído pelo demónio. Um homem e 5 anos que mudaram a história da música para sempre (tenho que ver o "I'm Not There"...).


Mr. Tambourine Man, Bob Dylan
ao vivo no mítico Newport Folk Festival, 1964

"Underground", Emir Kusturiča (1995)

Era impossível o filme ser o mesmo sem a música de Goran Bregovič.

Kalasnjikov - Goran Bregovič
Mesečina - Goran Bregovič
Wedding - Goran Bregovič


"Sweet & Lowdown", Woody Allen (1999)

O meu realizador e argumentista preferido. Não deve haver outro realizador cuja sonoridade dos filmes seja tão característica como a de Woody Allen. À excepção de "Match Point" (2005), todos os restantes filmes de Allen são povoados pelo jazz dos anos 30 e 40. Neste filme, o grande homenageado é o guitarrista cigano francês Django Reinhardt, o fantasma da personagem Emmet Ray.

Minor Swing - Quinteto do Hot Club de França, com Django Reinhardt (1937)
Sweet Sue - Quinteto do Hot Club de França, com Django Reinhardt (1940)
Nuages - Quinteto do Hot Club de França, com Django Reinhardt (1946)


"Singles", Cameron Crowe (1992)

Absolutamente incindível com a música, também. Uma escolha puramente sentimental.

State of Love and Trust - Pearl Jam
Chloe Dancer/Crown of Thorns - Mother Love Bone



"The Life Aquatic with Steve Zissou", Wes Anderson (2004)

Piscando o olho ao desafiante Marques Pinto, um filme ainda mais colorido pela música da personagem Pélé (Seu Jorge) e de Mark Mothersbaug.

Life on Mars? - Seu Jorge
Ping Island/Lightning Strike Rescue Op - Mark Mothersbaug
Starálfur - Sigur Rós, "Ágætis Byrjun" (1999)

Menções honrosas: "Don't Look Back", D.A. Pennebaker (1967); "A Clockwork Orange", Stanley Kubrick (1971) - 4ª Sinfonia de Beethoven; "Monty Python's The Meaning Of Life", Terry Gilliam & Terry Jones (1983) - maravilhosas composições de Eric Idle; "This is Spinal Tap", Rob Reiner (1984); "The Commitments", Alan Parker (1991).

Parece que tenho de passar o desafio, certo?
Então, passa-se a coisa ao incontornável companheiro de parvoíce do Incontinental, French Guard from the castle of his master, Guy de Lombard, ao Joe, à pequena São, ao Pat Pending e à Susa.

publicado por Olavo Lüpia às 00:29 | link do post | comentar